31 de mar de 2013

XIII Encontro Regional de Agroecologia ERA


Vamos construir o XIII ERA? Interessados avisaremos datas e locais dos Pré-ERA em breve.

27 de mar de 2013

Resultado Eleição DAMV-UFRPE

   A comissão eleitoral para a eleição da nova coordenação do Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária, anunciou ontem (26/03) a apuração dos votos. Foram 166 votos no total, sendo 164 para a chapa Pernambuco embaixo dos pés, nossas mentes na imensidão e 2 votos brancos/nulos. 
   
Agradecemos a Todos(as)!

Agradecemos a participação de todos(as) os(as) estudantes e esperamos que esse seja só o primeiro passo na participação conjunta com o DAMV.

15 de mar de 2013

Resultado das Eleições do DCE

A Comissão Eleitoral divulga o resultado da apuração dos votos da eleição para o Diretório Central dos Estudantes UFRPE gestão 2013-2014. Foram apurados 3019 votos no total, dos quais 1603 destinados à Chapa 2 "Mais Vale o que Será", 1392 destinados à Chapa 1 "Resistência" e 24 brancos e nulos. Assim, a Chapa 2 foi eleita com maioria dos votos válidos. Em anexo está a tabela com a quantidade de votos apurados por campus.

7 de mar de 2013

A demonização de Chávez



Hugo Chávez é um demônio. Por quê? Porque alfabetizou 2 milhões de venezuelanos que não sabiam ler nem escrever, mesmo vivendo em um país detentor da riqueza natural mais importante do mundo, o petróleo. Eu morei nesse país alguns anos e conheci muito bem o que ele era. O chamavam de “Venezuela Saudita” por causa do petróleo. Havia 2 milhões de crianças que não podiam ir à escola porque não tinham documentos…
Então, chegou um governo, esse governo diabólico, demoníaco, que faz coisas elementares, como dizer: “As crianças devem ser aceitas nas escolas com ou sem documentos”. Aí, caiu o mundo: isso é a prova de que Chávez é um malvado malvadíssimo.
Já que ele detém essa riqueza, e com a subida do preço do petróleo graças à guerra do Iraque, ele quer usá-la para a solidariedade. Quer ajudar os países sul-americanos, e especialmente Cuba. Cuba envia médicos, ele paga com petróleo. Mas esses médicos também foram fonte de escândalo.
Dizem que os médicos venezuelanos estavam furiosos com a presença desses intrusos trabalhando nos bairros mais pobres. Na época que eu morava lá como correspondente da Prensa Latina, nunca vi um médico. Agora sim há médicos. A presença dos médicos cubanos é outra evidência de que Chávez está na Terra só de visita, porque ele pertence ao inferno.
Então, quando for ler uma notícia, você deve traduzir tudo.O demonismo tem essa origem, para justificar a diabólica máquina da morte.
                                                                       Eduardo Galeano


O povo da América Latina perde um líder e um construtor de ideais!

A morte de Hugo Chávez representa uma perda irreparável para todos os povos da América Latina.
Sua origem humilde, sua trajetória de militar nacionalista e seu compromisso inquebrantável com um projeto de libertação do povo venezuelano, o transformou num líder popular de todo continente.
Foi o primeiro a enfrentar de armas em punho as mazelas do neoliberalismo na década de 90. Amargou a prisão. O povo o reconheceu e o conduziu ao governo com o maior apoio eleitoral da história do país.
Promoveu mais de dez eleições, com ampla participação popular e com extremo rigor de controle sobre a lisura das urnas. Ganhou todas.
Enfrentou o império e a mídia burguesa de todo mundo. Que o odiavam.
Enfrentou os empresários lúmpens e corruptos marionetes da CIA, que lhe deram um golpe. Mas o desdenhado (por eles) protagonismo do povo, o salvou!
Nesses anos todos, implementou mudanças fundamentais na sociedade venezuelana. Depois de um século de uma economia dependente das exportações do petróleo, deu uma virada. Primeiro distribuiu a renda petroleira para resolver os problemas do povo. De saúde, educação, moradia e alimentação.
E depois implementou mudanças para reorganizar a economia com um processo de industrialização do país, com autonomia.

Na política, incentivou todas as formas de participação popular. Não apenas nos processos eleitorais e governamentais, mas estimulou o protagonismo dos trabalhadores em todos espaços da sociedade.
Solidário com outros países mais empobrecidos, criou a Petrocaribe, que entrega o necessário petróleo a preço de custo.
Como MST e demais movimentos da Via Campesina, sempre tivemos uma identidade muito grande com seu projeto. E um carinho especial por esse líder comprometido unicamente com seu povo.
Conhecemo-nos em atividades do Fórum Social Mundial (FSM), para debater o neoliberalismo e as saídas para a crise capitalista.
Construímos juntos uma proposta continental de agroecologia, que pudesse servir de base para uma política de produção de alimentos sadios para toda população. Organizamos uma rede continental de escolas de agroecologia e de experimentos de sementes. Nossa rede IALA (Institutos Agroecologicos Latinoamericanos).
E juntos colocamos as bases para um projeto de integração continental, porém popular, que fosse mais além das articulações governamentais e comerciais. Que pudesse servir de integração popular, com iniciativas produtivas. Com iniciativas educacionais para erradicar o analfabetismo de nossa população. De iniciativas sociais e políticas. Para tanto, estamos construindo uma articulação de todos os movimentos sociais da América, que se identificam com esse projeto.
Foi uma década de derrotas para o neoliberalismo, para os setores da burguesia, e aos eternos serviçais dos interesses do capital internacional.
Foram dez anos de construção de um processo de alternativas. Com desafios enormes, vitórias e pequenas derrotas, mas sempre para frente!
Chávez nos fará falta!
Mas com a intensidade de um líder verdadeiro, colocou as bases fundamentais na sociedade venezuelana para que o projeto tenha continuidade.
Seu exemplo e lucidez servirão de ânimo para toda militância social da América Latina, para todas as forças populares e para os governos progressistas, para que se possa seguir construindo processos de verdadeira libertação popular.
Processos de verdadeira integração continental.
Viva Chávez !
Viva a integração popular de nosso continente!

                                       João Pedro Stedile,
                                       do MST e da Via Campesina